Nunca concordei que advogados fossem tratados como “doutores”. Pois, de fato não são. Também, não se pode dizer que são meros bacharéis! São bacharéis. E isto, não é pouco. Todos nós que concluímos o superior (ou 3o grau) devemos ter orgulho disso. Mas parece que para os advogados isto é pouco!

Pois bem, não são doutores: advogados, dentistas, médicos e outros eteceteras que concluíram graduação (ou bacharelado) e que tenham completado qualquer prova de aptidão e/ou afiliação em qualquer entidade de classe (CRM, CREMESP, OAB, etc).

Doutor é que defendeu tese de doutorado. Chamar médicos, dentistas e advogados como DOUTORES deveria ser proibido por Lei. Pois, é uma falta de respeito com aqueles que dedicaram-se, de fato, ao doutorado.

Seria uma forma de algumas classes, ao intitular-se doutores, de colocarem-se em situação de vantagem contra os “não doutores”.

Lendo o artigo do Prof. Doutor Marco Antonio Ribeiro Tura (doutor de verdade), isto fica muito claro. Recomendo à todos sua leitura em através do link: http://www.jusbrasil.com.br/noticias/1682209/doutor-e-quem-faz-doutorado.

Inclusive, explica o Prof. Dr. Marco (quem merece deve ser tratado à altura), que o título de Doutor, erroneamente, e conotativamente adotado pelos advogados data da época do Império.

Não seria falsidade ideológica entitular-se doutor quem não tem doutorado? Vou consultar um bom advogado, e, vou começar a me chamar de Doutor também! Nota: Não tenho doutorado, e, MBA e MBI não me garante este título.

Em tempo, extraia-se do artigo do nobre e douto Professor Marco, que, ninguém pode exigir o tratamento de doutor, mesmo que tenha doutorado 😉